007 à angolana

Project 61 of 86

Chama-se Rui Alvim Faria, mas toda a gente o conhece como AdF. «Amor Dinheiro e Fama» é a filosofia de vida deste angolano, relações-públicas, «milionário de ideias» e empresário dos vinhos do Douro. Se James Bond fosse africano, talvez tivesse um estilo de vida parecido.

O vinho português é reconhecido internacionalmente, mas agora tem mais um embaixador. Em parceria com Dirk Niepoort, um dos maiores produtores do Douro, o angolano Rui Alvim de Faria estendeu a sua marca AdF à produção de vinho. O resultado é um «tinto Rolls Royce», topo de gama, com garrafas numeradas, com preços a partir de cem euros, em lojas gourmet. José Mourinho recebeu a garrafa número 1 do AdF 2007 Douro. Madonna, a 58. A fadista Mariza e o piloto italiano Valentino Rossi também têm uma.

«A ideia do vinho surgiu-me quando o hotel Yeatman, em Gaia, estava a ser criado e eu quis ter uma suite com o meu nome. Disseram-me que era impossível, pois os nomes seriam atribuídos apenas a produtores de vinho. Então, reuni-me com o Dirk Niepoort e, em sintonia, criámos um vinho com a minha marca. Depois de muitos testes na Quinta de Nápoles com especialistas, surgiu este vinho excelente. O [Robert M.] Parker, o mais reputado crítico americano, deu 92 pontos em 100, numa lista publicada na Wine Advocate! É top! Está ao nível do Barca Velha! E, claro, há uma suite 007 ADF no The Yeatman.» 007? «Sim, sou fã de James Bond. Para o próximo filme, gostaria de ser eu o ator.»

Alvim de Faria fala a brincar, mas percebe-se que tem tiques de 007. A começar pelos fatos que usa, desenhados por si a partir de uma fusão entre Armani e Dolce & Gabbana. O playboy de Luanda prefere chamar-se bonvivant. Daí a sigla AdF, nome da empresa de Relações Públicas de que é diretor, com clientes como a marca de relógios suíça Hublot (de que é representante exclusivo em Angola). «A» de amor, «d» de dinheiro e «F» de fama. Mesmo assim, sem tirar nem pôr. «Amor, porque acredito que tudo na vida deve ser feito com amor. Sou um amante da vida! Há pessoas que dizem que sou um sedutor, mas não… sou um “natural”. Ou seja, mostro o que sou, embora seja muito cativado pela beleza feminina e um homem é sempre um caçador… Quanto ao dinheiro, o «d» é mais pequeno, ou seja, a importância do dinheiro na minha sigla é menor: basta algum dinheiro. Claro que não sou um hipócrita, o dinheiro é importante para fazer avançar os projetos. Aparece sempre quando sabemos reunir uma boa equipa e ter um objetivo. E se tenho dinheiro é para gastá-lo. Trabalho para viver e não vivo para trabalhar. A fama, porque espero que o meu vinho seja o mais famoso do mundo. Desde já, é único. Se eu quero ser famoso? Não é objetivo ser famoso, mas é bom que falem de mim – bem ou mal.»

Nascido em Angola há quase cinquenta anos (não gosta de revelar a idade), filho de pais portugueses – tal como os seis irmãos -, o empresário é fanático do FC Porto e diz que as suas casas em Portugal são o hotel Pestana Palace, em Lisboa, e o luxuoso The Yeatman, em Gaia – onde, naturalmente, fica instalado na suite com o seu nome. Formado em Gestão de Empresas na Universidade Católica de Lovaina, na Bélgica, passou pela Comissão Europeia e pelo Consulado de Portugal em Londres, fluente em seis línguas, garante não ser milionário, apesar do estilo de vida luxuoso. «Estou longe disso. Não é o meu objetivo. Quero é viver bem. Viver bem quer dizer… viver com muito amor. Claro, tenho é amigos milionários. Posso dizer é que sou milionário de ideias e imaginação. Vivo de ideias de construir, criar, partilhar e realizar projetos.»

Está sempre em viagem, seja para levar o vinho aos famosos, seja para fazer relações públicas nos locais onde os milionários se divertem. É, portanto, frequente, vê-lo com o sorriso de marca na alta roda das festas do jet set mundial ou nos circuitos de automobilismo – além de ser fã de Fórmula 1, Alvim de Faria já patrocinou a escuderia Coloni, no campeonato de GP 2 series. Os relógios Hublot são a razão de grande parte das deslocações. Custam algumas dezenas de milhares de euros, e Alvim de Faria já criou para a marca suíça modelos únicos como o Big Bang Angola. Como embaixador da empresa, já vendeu relógios a milionários de todo o mundo e oferece modelos personalizados a figuras públicas, como estratégia de marketing e relações públicas. Crise? Qual crise? Não é numa altura de crise económica que a cultura do luxo regride. «Aproximo-me das pessoas poderosas e das menos poderosas da mesma maneira. Mas o mais importante para ter sucesso é ter uma boa network, uma boa rede de contactos.»

Depois da aventura do tinto, Alvim de Faria lançou-se também no negócio do vinho do Porto. E também à milionário, claro. O AdF Very Old Port tem cem anos e há apenas 107 garrafas, cada uma a custar cerca de três mil euros. O presidente do Futebol Clube do Porto, Pinto da Costa, recebeu a primeira garrafa. José Mourinho também foi homenageado, mas com uma garrafa personalizada com a inscrição «Special One». Sir Alex Ferguson, ex-treinador do Manchester United, também teve direito a uma.

«Este Porto é como a minha vida: único, diferente e primeiro. Essas são as três fundações da minha vida.». Em breve, o seu próximo vinho será também um topo de gama Niepoort, um branco com 777 garrafas. Mais uma vez, exclusividade como distinção. Em 2014, promete lançar champanhe, mas sobre isso não quer ainda falar. Apenas promete ser em grande. «Quando comecei esse desafio com o vinho não era para fazer dinheiro. Queria sim promover a minha marca numa iniciativa que vive do marketing. Agora, venho a saber, comecei a ter receitas. O vinho está a correr muito bem!»

Desfile de celebridades

A lista de celebridades que ficaram fãs dos vinhos AdF ou relógios Hublot personalizados por Rui Alvim Faria é vasta. José Eduardo dos Santos, Leila Lopes, Eusébio, Jorge Mendes, Cristiano Ronaldo, Armani, Usain Bolt, etc. Como ele consegue chegar lá? «Com naturalidade…» E alguma «simpatia angolana», misturada com um humor pessoal e acesso garantido por amigos ou… amigos de amigos. Seja como for, AdF é como um espião internacional: está sempre no lugar certo à hora certa, nem que tenha de fazer, como muitas vezes acontece, Luanda- Estocolmo-Dubai em 48 horas. Sobre a lista de amigos, sublinha que Sir Alex Ferguson e Mourinho ficaram comovidos com a oferta de uma garrafa de Porto com os seus nomes. No final do jogo Manchester United – Real Madrid, em Março, a contar para a Liga dos Campeões, o vinho que os dois grandes treinadores beberam veio do Douro. Com AdF no rótulo.

in Notícias Magazine – Diário de Notícias

Rui Alvim de Faria entrevistado na Notícias Magazine (Diário de Notícias).

Rui Alvim de Faria entrevistado na Notícias Magazine (Diário de Notícias).

Social share:

MENU